Entre frustração e confiança, Fla se impõe.

Não me peça imparcialidade porque essas aqui são as linhas de um mulambo orgulhoso. Não esperem também aqui que eu vá chorar por gols anulados corretamente, meu sangue é rubro-negro, não verde.

Vamos falar do que foi o jogo. Muitos vão dizer que o Grêmio se recuou no primeiro tempo, mas a verdade é que o Mais Querido não deixou os falastrões do sul jogarem. O Flamengo entrou em campo como um rolo compressor, o Grêmio foi se comprimindo em seu campo de defesa.

Criamos, controlamos mas falhamos no passe final e nas finalizações. No segundo tempo ReNight decidiu que era a hora do Grêmio entrar em campo e foi um jogo digno daquele que se diz o melhor futebol do Brasil.

Acredito que essa foi uma estratégia inteligente pois eles pouparam o time titular no final de semana e deixaram todo o gás no segundo tempo. Diego Alves, que na minha opinião foi o jogador mais importante, fez duas lindas defesas. Grêmio se alegrou, foi pra dentro e deu o óbvio… tomou!

No final, Everton Ribeiro deu mole e o Grêmio aproveitou a ausência do Filipe empatando a partida.

Pontos importantes:

– o Flamengo podia jogar 20 vezes contra o Grêmio no sul e não ia perder nenhuma;

– o que eu escrevi acima não vale de nada se não classificar;

– o Grêmio foi inteligente ao se acovardar no primeiro tempo, se saísse pra jogo ia tomar;

– o time do Flamengo tem que chutar de fora! Do outro lado estava o Paulo Victor;

– o Flamengo vacilou ao não ter matado essa semifinal no primeiro tempo;

– empatar lá, não basta. Isso é libertadores e o Grêmio tem que ser respeitado.


É um sentimento dúbio, pois estou revoltado pelo Flamengo não ter goleado. Porém, empatar lá não é mau resultado.


Saudações Rubro Negras.

Francisco Neto

Twitter: @xiconeto

Comentários do Facebook

Fernando Michelutti

São Paulino desde 30 de maio de 1982 - O São Paulo Futebol Clube foi, e continua sendo, sua primeira paixão na vida. É fanático por futebol e se deixar assiste até a 6° divisão do campeonato inglês naquele sábado chuvoso com direito a mesa redonda e replay dos gols. Tem como hobby colecionar camisas de clubes nacionais e internacionais, além de visitar estádios e sedes de clubes sempre que esta viajando ao redor do globo. É casado com a Santa Raquel - que nunca foi enganada sobre seu primeiro amor. Também é pai da Duda, do Dani e do Pedro - uma nova geração de são paulinos que vem forte rumo ao Hepta. Agora, junto com grandes amigos, também é blogueiro aqui no papo de arquibancada!

Deixe uma resposta