Dança dos técnicos: Cuca pede demissão e Fernando Diniz é o novo treinador do Tricolor

Ontem eu estive no Morumbi junto com mais 12.000 desafortunados pegando uma chuva fina e assistindo o São Paulo perder de 0x1 para o Goiás.

Desde o início não havia confiança nas arquibancadas. A torcida foi de teimosa nesse jogo, a Espera de um Milagre. Ver o time jogar bem e se impor no Morumbi contra um adversário muito ruim.

O futebol fraco apresentado pelo São Paulo, sem meio de campo, sem saída de bola, sem troca de passes e sem precisão nas poucas finalizações me assustou muito.

Outra coisa me impressionou. A passividade de Cuca a beira do campo. Ele não vibrava, não reclamava, quase não pedia nada aos jogadores. Ficou claro pra mim que o casamento entre ele e esse time não estava nada bem.

Recentemente Daniel Alves publicamente criticou o treinador pela inconstância na escalação. Vale lembrar que Cuca disse que o time estava pronto até que Dani Alves e Juanfran chegaram e “bagunçaram” tudo.

Para qualquer um que minimamente entende de futebol estava nítido que Cuca não conseguiu implementar nenhuma ideia de jogo ao São Paulo. Você consegue descrever o estilo desse atual time? Ofensivo? Marcador? De posse de bola? Letal?

O São Paulo não é nada.

Nesse rumo, mais uma vez lutaríamos por uma pré-libertadores.

Raí e cia. parece que perceberam que manter Cuca agora seria apenas atrasar o planejamento do próximo ano.

Eu concordo com isso? Sim.

Não vamos esperar até dezembro pra mandar ele embora. O São Paulo tem 35 pontos e o risco de ser campeão é quase nulo e de ser rebaixado também. Então vamos usar esses meses para começar o projeto 2020.

Cuca percebeu que logo seria mandado embora. Então ele resolveu pedir demissão antes. Justificativa: dessa vez São Paulo e ele não deram liga.

Isto posto, o trabalho de procurar um novo treinador começou imediatamente. Afinal tem jogo contra o Flamengo nesse final de semana.

Vou tentar pensar com a cabeça dos dirigentes do São Paulo agora. Não tento acertar nada, só acho interessante refletirmos sobre o que está se passando por lá. Talvez as frases abaixo tenham sido ditas pelos corredores do clube ou em grupos de dirigentes:

“Precisamos de um técnico com idéia de jogo bem clara”

“Mudança radical de filosofia”

“Ceni foi demitido, temos que colocar alguém antes da torcida pedir por ele aqui”

A dança dos técnicos hoje está bem forte. Cuca fora, Ceni fora, Oswaldo fora e talvez Rodrigo Santana seja demitido do Galo nas próximas horas. Até Wagner Mancini foi mandando embora, chateado por não ter participado da escolha do novo técnico.

Leco, Ganso, Itair, Thiago Neves e cia. parecem mandar nos frágeis técnicos do Brasil. Com certeza uma das profissões de menor estabilidade do País.

Voltando aos bastidores do São Paulo de hoje, depois de alguma rápida negociação, Fernando Diniz foi anunciado como novo técnico do Tricolor Paulista.

Eu gosto disso? Sim. E não.

Sim por quê?

  • Eu anseio pelo dia que todo o potencial técnico do elenco seja utilizado para tocarmos a bola e sair jogando. Diniz é bom nisso.
  • Os garotos precisam trabalhar melhor a mente. Diniz além de técnico é psicólogo formado.
  • Ele nunca teve um elenco tão bom nas mãos. Acho que o melhor dele está por vir. (tomara)
  • O perfil dele combina com o perfil do clube. Nossa história é uma história de valorizar a bola, inovar taticamente, variar durante o jogo, se impor em casa. Não gostaria de ver mais um retranqueiro assumindo o time. Pensar que Bauza ou Aguirre poderiam voltar me assusta.

Não por que?

  • Diniz quase rebaixou os dois últimos clubes que dirigiu.
  • Não tem experiência gerindo grandes elencos.
  • Seus times tem controle da posse, mas dificuldade em arrematar as jogadas.
  • Mudar radicalmente durante o campeonato é perigoso, apesar de no momento o risco apresentado ser pequeno. Difícil ficar pior do que está.
  • Acho ele meio low-profile para motivar ou dar uma “dura” em um elenco cheio de medalhões.

O tempo dirá. Pode ser apenas mais alguns kilos de carne na máquina de moer técnicos que o Tricolor se tornou. Ou pode ser mais um dos grandes técnicos que esse time já abrigou. Tudo pode acontecer.

Achei a aposta arriscada. Porém me agradam as apostas arriscadas.

Ficaria decepcionado no momento em ver Abel ou Felipão treinando o time.

Vamos torcer. Mesmo em situações adversas como aquelas que passamos ontem no Morumbi. Não há muito o que fazer agora além de torcer e cobrar melhores resultados.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

Follow by Email
Facebook
Twitter
YouTube
Instagram