O estrago dos 7×1 e nossa sindrome de vira-lata

Tenho pensado muito na transferência do Neymar para o PSG, valores altíssimos, nunca vistos até hoje, simplesmente 222 milhões de euros, ou mais de 800 milhões de reais, será que ele valia tudo isso? É uma pergunta que alguns irão se questionar constantemente.

O que mais me incomoda é que nós brasileiros temos uma péssima mania de exaltar o futebol europeu, dizendo que tudo lá é melhor, e muitas vezes esquecemos que dos cinco maiores jogadores hoje, três são sul-americanos, que a maior transferência da história é de um brasileiro, que o Brasil é o maior campeão de Copa do mundo e Copa das Confederações.

Então chegamos aos 7×1 contra a Alemanha, dizendo que teríamos que nos reciclar, que seria daí pra pior e passamos a acreditar em pessoas como Juca Kfouri, Mauro César e qualquer pessoa dos canais ESPN. No fundo, ligamos o botão “quero ser Europeu”.

Não percebemos que perdemos de 7×1 porquê escolhemos para a seleção alguém que tinha acabado de ser rebaixado com o Palmeiras, que após o 7×1 escolhemos como técnico o Dunga, alguém que tinha sido demitido do Inter e não percebemos que o problema não eram os jogadores e sim as escolhas no comando.

O que quero com este texto? Fazer um desabafo sincero de quem está cansado de ler que tudo lá fora presta e aqui nada presta.

Tenho vários exemplos, Corinthians acaba de bater todos os recordes de um turno no brasileiro, mas alguns acham que é goleada certa contra os times europeus, ou ainda o chamam de quarta força, em vez de reconhecer o ótimo trabalho.

Marcelinho Carioca jogou muito mais que o Beckham, mas não tinha a mídia ao seu lado, se fosse Europeu teria jogado na Itália, França, Espanha, Inglaterra por muitos anos.
 

 

 

 

Rooney é ídolo na Inglaterra, imagina se eles (ingleses) tivessem um jogador como Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Romário ou Rivaldo, na verdade, um Alex já seria motivo de estátua e títulos da Rainha.

Saibamos valorizar o que é nosso, e com um bom técnico como o Tite, seremos hexa, incrível que com os mesmos jogadores de 2014.

Temos coisas a aprender, mas temos muito pra ensinar também.

Abs,

Mauro Loureiro

 

Comentários do Facebook

Mauro Loureiro

Apaixonado por futebol, corinthiano de sangue e opção, capaz de passar horas assistindo a lances de Marcelinho Carioca (o maior do Corinthians), Ronaldo Fenômeno e Dida. Casado com Letícia e pai de três filhos, Danielly, Gabriela e Guilherme (esse era pra se chamar Cássio ou Ronaldo, mas a esposa não deixou). Seu time titular do Corinthians de todos os tempos é: Cássio, Alessandro, Gil, Gamarra, Kleber, Rincón, Paulinho, Ricardinho, Marcelinho, Tevez e Ronaldo. Você deve estar se perguntando onde estão Rivelino, Sócrates, Casagrande e etc.? Ele te responderia, pra entrar na história do clube tem que ter título. Pessoa de opinião forte, tente perguntar o que ele acha de Muricy Ramalho, Rivaldo, Figo e Botafogo. Desde fev/17 faz parte com cinco grandes amigos do Papo de Arquibancada.

Deixe uma resposta

Follow by Email
Facebook
Twitter
YouTube
Instagram