11 anos se passaram, e o São Paulo está definitivamente de volta!

Crédito foto: Rubens Chiri – spfc.net

Após vencer a Chapecoense por 2×0 no Morumbi, o São Paulo fecha o primeiro turno em primeiro lugar com 41 pontos, e após 11 anos, volta a fechar o turno nessa classificação. Aos gritos de “o campeão voltou” ao final da partida, é impossível controlar a euforia dos torcedores e depois de muitos anos, podemos dizer que o São Paulo finalmente está de volta.

Todos se perguntam qual foi o responsável por essa mudança do São Paulo, dentre todas elas, se esquecem da que realmente fez mudar, o discurso. Sem aquela de “soberano” ou “time grande não cai”, o time parou de se vangloriar pelo passado e se concentrou no futuro. Essa mudança no discurso, foi um dos principais pedidos do Aguirre que toda entrevista pede pé no chão e sem essa de que o “São Paulo está de volta”.

Do momento em que se mudou o discurso, mudou a atitude. O time é completamente outro, um time intenso e que todos ajudam no momento sem bola. Antes, havia jogadores que se escoravam na grandeza do clube e daí andavam em campo. E isso é uma coisa que todos os treinadores antigos permitiam, com o discurso de “A o jogador x é acima da média” e etc… Neste caso, não. O desgaste físico nos atletas é algo extremamente notório, fruto de muita aplicação e entrega.

Existe também, o outro lado. Se atendo ao campo de jogo, o time não é mil maravilhas e até sofre em momentos desnecessários (como o jogo de ontem). Muita, mais muita velocidade e uma precisão fora do padrão do nosso futebol, os números acabam não sendo tão favoráveis assim. Com apenas 38.22% de posse de bola por jogo, é o 8º time com menos posse de bola e o 3º com menos chutes por jogo, apenas 2.56.

Eu sei que esses números pouco importam pois o número bruto mostra que o tricolor paulista é líder do campeonato, mas, é sempre bom lembrar que o time não é o Manchester City do Guardiola e que por essa dificuldade em propor o jogo, fez com que fosse eliminado pelo Colón na sul-americana.

Mesmo com time misto, e uma atuação (mais uma vez) fraca, foram quebrados 3 tabus. O São Paulo venceu a Chapecoense em São Paulo depois de 4 jogos (3 empates e 1 derrota), assim como superou a sua própria pontuação nesta fase, em 2007 havia feito 40 pontos, 1 ponto a menos que hoje. E o terceiro e talvez menos importante, o uruguaio Diego Aguirre se tornou o primeiro estrangeiro a “conquistar” o troféu Osmar Santos.

Ainda há todo o segundo turno e as primeiras rodadas são favoráveis (Paraná e Ceará) para com sorte aumentar a vantagem e rumar ao hepta. Embora o treinador seja totalmente contrário a esse discurso, é impossível não acreditar nisso, e com todas as letras possíveis, podemos dizer que o São Paulo finalmente está de volta ao lugar que nunca mereceu ter saído.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta