Quem entende o desequilibrado Galo? O melhor ataque e a 2ª pior defesa do Brasileirão.

No dia 14 de junho, logo após a sofrida vitória de virada sobre o Ceará e antes da longa parada para a Copa do Mundo eu publiquei a seguinte frase: “Para sonhar mais alto, o Galo precisa urgentemente da contratação de um zagueiro. Não para encher o elenco, mas zagueiro para chegar, vestir a camisa, ser titular e sair jogando.”

No total, 34 dias se passaram no intervalo da Rússia e o Galo trouxe 7 reforços, sendo um total de ZERO zagueiros. Voltamos para o Brasileirão com jogos dificílimos contra Grêmio e Palmeiras fora. O que dói não são as derrotas, de certa forma até entendíveis. Mas é muito complexo aceitar um time que sofre 5 gols em dois jogos depois de 1 mês treinando. Um time que comete erros absurdos defensivos.

Fato é que se hoje o Galo possui o melhor ataque do Brasileirão com 26 gols marcados, possui também a segunda pior defesa do Brasil, com 22 gols sofridos. Nem mesmo os times do Z4 possuem defesas mais vazadas que a nossa, pelo contrário, sofreram menos jogos.

Eu prometo que esse será meu último texto nesse ano criticando nossa defesa e pedindo o reforço de um zagueiro. Chega uma hora que cansa apontar o óbvio que ninguém no Galo é capaz de solucionar. Não adianta o Presidente Sette Camara fazer cortina de fumaça e chamar árbitro de “vagabundo” e a CBF de “Lixo”. Todos nós sabemos disso. O que não é aceitável é desde Réver não termos investido em zagueiros de primeiro escalão.

Não quer dizer que nossa diretoria esteja sofrendo de alguma patologia que não percebam a necessidade de reforços defensivos. A razão disso é muito simples: Hoje o clube é refém de investidores para realizar grandes contratações. E por razões comerciais, investidores preferem colocar sua grana em meias e atacantes, por possibilidades maiores de lucro. Tanto que quando o interesse surgiu no argentino German Conti, ele só foi adiante pois tratava-se de um zagueiro novo e com potencial de revenda.

Mas para resolver a situação defensiva do clube hoje, o Galo precisa de um zagueiro maduro, experiente e rodado que chegará para ser titular. O Galo não precisa de um zagueiro, precisa DO zagueiro certo. E zagueiros assim são caros, com idades próximas dos 30 anos e dificilmente renderão vendas futuras. Aí cabe à diretoria alvinegra perceber que o clube não é um Banco onde se busca lucro. Existem jogadores que vem para render e colher frutos dentro de campo e títulos, independentemente de seu valor de revenda. Ou alguém em sã consciência acredita que a Juventus investiu 100 milhões de Euros no CR7 imaginando uma revenda futura?

Se Sette Camara tivesse um pouco mais de ousadia em seu discurso de “austeridade financeira”, teria aproveitado a parada da Copa com o time numa surpreendente segunda colocação e investido num zagueiro pronto para ser titular. Seguraria Bremer até dezembro, valorizaria o garoto ainda mais com uma boa colocação no campeonato. Mas infelizmente houve o desmanche. E temos que assistir um inseguro Victor que tenta sair em todos os cruzamentos e falha constantemente por não confiar em sua defesa. Somos obrigados a ver Juninho com erro de pelada. E Gabriel que não possui futebol para ser nosso titular, mas continua lá desde 2016. Na verdade, quem esteve certo esse tempo todo foi Lugano, o ex-zagueiro uruguaio que disse que Tite é um “encantador de serpentes que hipnotizou a mídia.” Tite afirmou que Gabriel é o novo Marquinhos. Bobos fomos nós que acreditamos.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta