Em um show de horrores, o futebol brasileiro voltou! Cruzeiro e Bahia avançam!

Depois de mais de 30 dias sem nosso futebol nacional, finalmente ele voltou! Ontem, tivemos dois jogos pela Copa do Brasil e claro, não poderíamos esperar que os jogos fossem brilhantes pois estavam todos voltando das inter-temporada. No final, Cruzeiro e Bahia avançaram e como estamos falando do futebol brasileiro, tinha que ter tudo e principalmente cenas lamentáveis.

Indo por partes, com o Mineirão quase lotado com 39.784 pagantes, a festa foi linda, só esqueceram de combinar com o time. O Cruzeiro que havia vencido o primeiro jogo por 2×1, vinha com duas vantagens: 1) A vantagem do placar e 2) O adversário fraquíssimo. A raposa veio com uma proposta de jogar no contra-ataque, mas como o Atlético não atacava, pouco aconteceu. No primeiro tempo, apenas uma defesa dos goleiros, de Santos no chute de Thiago Neves.

Já no segundo tempo, o jogo pareceu que esquentaria, o furacão viria pra cima por precisar do resultado. O Cruzeiro estava anos a frente, e mesmo sem jogar nada era melhor. Arrascaeta que pediu para jogar, apesar de ter errado todos os cruzamentos, marcou o gol da vitória e deu o famoso passe “faz e me abraça” pro Raniel que preferiu se jogar ao invés de concluir.

Na re-estréia do técnico Tiago Nunes, nada deu certo. Foi tudo tão confuso que ao invés de ele tirar o Nikão que não fez rigorosamente nada, tirou o Raphael Veiga que foi até que regular no jogo e colocou o Guilherme que também não jogou absolutamente nada, e quando viu que estava dando tudo errado, colocou Marcinho e Bergsson (autor do gol) no lugar do Lucho González que já não joga faz tempo.

Já do outro lado, o jogo que parecia ter tudo para ser o fora de série, acabou sendo apenas mais um. O São Januário com 17.561 pagantes, a torcida comprou a ideia do técnico e foi lá para apoiar e fez uma festa também muito bonita.  O Vasco precisando vencer por 3 gols de diferença, veio pra cima e num esquema com apenas um volante, surpreendeu as expectativas enquanto o Bahia se defendeu com 11 atrás do círculo central.

Num jogo bem proposto pelo time carioca, onde até o Giovanni Augusto foi bem no jogo, estava com 2×0 aos 19 minutos. Aí, estava tudo muito bem, só que logo voltamos pra realidade ridícula do nosso futebol que é a cera e o anti-jogo. O Bahia não veio pra jogar em nenhum momento, e nem ao menos, tentou jogar. Mas em compensação, caiu, rolou, e parou o jogo como maestria.

Esse negócio de cair é tão bizarro que os jogadores não tentam nem ao menos ser convincentes. O Elton (volante) caiu 3 vezes, e o Mena (meia) a mesma coisa. Olha, foi tanta a cera, que chegou um momento que algum jogador do Bahia caiu e o árbitro deu de ombros e seguiu o jogo. Foi a primeira vez que eu vi que o árbitro não parou o jogo por ter jogador “sem-condições” de jogo.

Teve cotovelada na cara, cuspida na cara da comissão técnica, rato em campo e até invasão de torcedor no final de jogo. Foi, definitivamente, um show de horrores. E por incrível que pareça, ontem, estávamos apenas no primeiro dia depois da incrível Copa do Mundo que aconteceu. Pois é, depois de pênalti inexistente em amistoso, sim, em amistoso. Tivemos isso, e definitivamente o futebol brasileiro voltou!

 

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta