Mandamos os mexicanos de volta pra casa!

Tentando manter sua ascensão técnica e tática, a seleção brasileira entrou em campo nesta manhã contra o México pelas oitavas de final da Copa da Rússia. O Brasil era franco favorito, de fato, mas a seleção mexicana começou o jogo colocando em prática todo o discurso de seu técnico Juan Carlos Osório, outrora técnico do time são paulino, onde afirmou não temer a seleção brasileira e que iria pressionar e atacar desde o início em busca da classificação. Osório iniciou a partida com o experiente Rafa Marquez, a frente da zaga mexicana, em uma linha de três meias com o intuito de barrar as ações de um de nossos melhores jogadores até aqui, Phillipe Coutinho. Lá na frente, colocou dois pontas de extrema rapidez, Carlos Vera e Lozano, com Chicarito fazendo às vezes de um falso 9.

Foi um inicio em que se ouvia os gritos de “olé” vindos da torcida mexicana a cada troca de passes, além de muita pressão na saída de bola brasileira. A seleção mexicana levava muito perigo principalmente nas jogadas pelas nossas laterais. Tanto Fagner quanto Filipe Luis se desdobravam para restringir as jogadas individuais dos atacantes adversários, que vinham pra cima sempre em condições de mano-a-mano. Na metade inicial do primeiro tempo, Tite parecia estar perdendo o jogo tático para Osório. O Brasil não encaixava a marcação e via o México arriscar jogadas perigosas.

Imagem: veja.abril.com.br

Mesmo após um início preocupante, a seleção brasileira teve a melhor oportunidade de abrir o placar aos 24’. Neymar recebeu pela ponta esquerda, fez que cruzaria, mas fintou toda a zaga mexicana e parou apenas em Ochoa. A partir daí a seleção brazuca cresceu na partida. William e Paulinho passaram a refazer a aobertura do lado direito da nossa defesa, ajudando principalmente Fagner a segurar as boas investidas de Carlos Vela. Com a marcação encaixada, nosso meio de campo passou a girar mais a bola, fazendo ela chegar mais nos nossos pontas. Coutinho ainda um pouco discreto arriscava chutes de longe mas que paravam sempre na zaga adversária. Nossa jogada principal parecia ser também pelos lados do campo de ataque, já que Gabriel Jesus ainda parecia perdido em sua função de centroavante. Não faltou entrega, porém, a Jesus que insistia em brigar com a forte zaga mexicana mas que não conseguia manter a bola no campo de ataque. William entrou com uma vontade nunca vista ainda nessa copa, passava com facilidade pela marcação mexicana porém ainda faltava aquele algo a mais para quebrar o sistema defensivo montado por Osório.

E esse algo a mais veio no segundo tempo, dos pés de quem mais se espera dessa seleção brasileira: Nosso 10, Neymar.
Concentrado e jogando para o time, Neymar fez sua melhor partida nessa campanha. E não digo apenas tecnicamente, já que mostrou uma atitude muito mais madura dentro de campo também. Parece que as duras críticas quanto ao comportamento “cai-cai” e briguento surtiram efeito. Não se viu Neymar deixando o jogo de lado para simulações ou entrar em confusões hoje. Nem quando os mexicanos apelaram para o jogo sujo, como o feito por Layún que pisou acintosamente no tornozelo do nosso craque, sem bola.

Imagem: oglobo.globo.com

Logo aos 5’ da segunda etapa, Neymar carregou da esquerda em direção à meia lua, puxando toda a marcação mexicana, e de calcanhar deixou William em condições de invadir a área e com espaço, cruzar para o próprio Neymar, de carrinho, empurrar para as redes.

Imagem: gazetaesportiva.net

Aquele 1×0 que tranquiliza um lado, e expõe fraquezas de outro. O México já não levava mais perigo algum frente a uma verdadeira muralha defensiva brasileira –  T. Silva e Miranda, ambos extremamente seguros, não perdiam uma bola. Tivemos chances de ampliar com Paulinho e depois em uma ótima jogada de William, que cresceu muito de produção no segundo tempo. Jesus teve sua chance de marcar, assim como Coutinho que mandou um canhão mas parou nas mãos de Ochoa. Aliás, que partida fez o goleiro mexicano! Não fosse sua excelente partida, teria sido goleada!

Pouco depois, Casemiro fez falta nomeio de campo e levou o terceiro amarelo e está fora contra a Bélgica, o que provavelmente dará uma oportunidade para Fernandinho entre os titulares.

Roberto Firmino entrou no lugar de Coutinho já aos 40’ e mostrou ter uma baita estrela. 2 minutos depois, bem posicionado, marcou o segundo gol após defesa de Ochoa em finalização cara a cara de Neymar.

Imagem: metropoles.com

Os mais corneteiros dirão que Firmino fez em poucos minutos, mais que Jesus em toda a copa. É bem verdade que Jesus ainda não encontrou seu melhor jogo, mas Firmino vem pedindo passagem no time principal, e creio que o gol e principalmente a entrega vista pelo atacante do Liverpool nos minutos finais pode ter colocado uma certa dúvida na cabeça de Tite sobre quem deve ser o centroavante brasileiro daqui pra frente. Tite tem por característica, persistir e dar confiança até o fim a seus jogadores considerados titulares, mas há de se ressaltar que em torneio tiro curto como Copa do Mundo, o certo seria priorizar quem está em melhor momento, e Firmino até pela temporada que fez pelo clube inglês, vive melhor fase.

Fim de jogo, classificação garantida para as quartas de final. Muita festa do lado brasileiro, e muita reclamação e mimimi do lado mexicano. O técnico Osório, que tomou um vareio tático no segundo tempo, preferiu criticar o jogo brasileiro do que enaltecer sua equipe que fez ótimo primeiro tempo.

Imagem: oglobo.globo.com

Fez criticas exageradas ao jogo de Neymar e a arbitragem e em troca recebeu uma aula de “tecnicabilidade” de Tite. Já na entrevista coletiva, ao ver Neymar ser questionado sobre as falas de Osório, Tite pediu a palavra e impôs seu comando perante toda a mídia. Disse que ali existia hierarquia e que ele mesmo Tite responderia Osório, de técnico pra técnico. Como um verdadeiro monstro ao gerir vestiário, ao mesmo tempo que respondia às críticas descabidas do lado mexicano, blindava Neymar de cair em mais uma armadilha daqueles que buscam uma polêmica.

O Brasil vai com tudo para cima da sensação Bélgica na Arena Kazan, sexta-feira as 15h.
Vale lembrar que o retrospecto em copas contra a Bélgica é positivo. A seleção belga fez parte da campanha do penta em 2002, caiu eliminada nas oitavas de final.

Será que sairemos vencedores mais uma vez?
Fato é que o México já foi e faltam só 3 jogos para o tão sonhado hexa!

 

Abraços.

André Marcelino.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta